11 de junho de 2017

7Milistria de Aldy Carvalho, O Texto Sagrado

É uma fórmula e alquimia legada por ancestrais deste beradeiro, cantador láaaa do sertão, que o elegeram em profecia escrita em pergaminhos milenares para a responsabilidade de resgatá-la, desenvolvendo-a e formulando-a conforme a fórmula inscrita nos ditos pergaminhos, com ervas neles preditas e com as que, no devido tempo viria a conhecer através da sabença empírica, das instruções ali contidas, de pesquisas químicas e botânicas, além das palavras mágicas que, guardadas no alforje da memória e na justa medida do segredo, devem ser proferidas na hora da manipulação, tendo ainda a especial incumbência de tudo isso fazer longe das vistas ou especulações profanas e com o espírito comungando com os bons fluidos e eflúvios dos ancestrais, sob pena de sofrer terríveis castigos, impronunciáveis maldições, na conformidade dos escritos nos pergaminhos.

Tomada na dose certa, a 7Milistria faz bem salutar: eleva o espírito, dá equilíbrio à matéria mantendo a “mente sã, espinha ereta e o coração tranqüilo”, pois como diz “Platão”, tudo demais é veneno.

Então, se você tiver o privilégio de ser convidado para tomar uma dose deste elixir, bálsamo da vida, 7Milistira de Aldy Carvalho, também chamada de 7Milistria do Beradeiro, devido à origem do eleito, tome-a e sinta o espírito elevar-se, a matéria renovada ativará a vontade de buscar com mais facilidade vencer os percalços que a vida se nos apresenta podendo atingir o nível de satisfação, felicidade, que todos almejam.




                 AS SETE MILISTRIAS DO POETA ALDY CARVALHO

                                                                               Valdeck de Garanhuns .   
                                                                                                        Poeta, multiartista, Mestre de mamulengo, pedagogo, arteeducador
Das profundezas vistosas
Da era dos ancestrais  
Dos dons espirituais
Das matas misteriosas
Das ervas maravilhosas
Do riso e da alegria
Das trevas, da luz do dia
Retirei meu argumento
Pra explicar num momento
O que é u’a milistria.

No reino da alquimia
Se faz muita misturada
Elixir e garrafada
Que ao povo dá alegria
Eu misturo poesia
Para fazer meu trabalho
Porque farei um retalho
De versos, rimas, folias,
Com as sete milistrias
Do poeta Aldy Carvalho.

Pra palavra milistria
Não existe tradução
É o sim e é o não
É a paz e a euforia
Processo de alquimia
Mistério do meu sertão
Calmante do coração
Luzeiro do pensamento
Remédio pro sofrimento
Cadeia de união.

Milistria é invenção
De um cabra de Petrolina
Cantador é sua sina
É poeta e artesão
Aldy Carvalho é irmão
E aos irmãos dá alegrias
Recordando as dinastias
Da tradição milenar
Começarei explicar
Todas sete militrias.

A primeira milistria
Cura a dor das sete pontas
Ajuda a pagar as contas
Mas se for do mesmo dia
Fomenta grande euforia
Deixa o ser iluminado
Cantando verso de gado,
Ciranda, frevo e baião,
Dançando samba-canção,
Maxixe, coco e xaxado.

A segunda afasta o mal
Modifica o pensamento
Provoca um encantamento
Que a gente fica anormal
Sai andando pro quintal
Já quer voltar para a sala
Quer falar e perde a fala
Perde a fala e quer falar
Se senta quer levantar
Levanta, senta e se cala.

A terceira é poderosa
Cura dor de corno manso
Tira inhaca, tira ranço
Mede o medo é milagrosa
Tem cheiro e gosto de rosa
Ou do que se imaginar
Agente pega a gostar
Dessa bebida maneira
Quando vê sai na carreira
E está no mesmo lugar.

A quarta é misteriosa
Ardilosa, muito estranha
Pois foi a Mãe de Pantanha
Quem descobriu a tinhosa.
A fala fica manhosa
A pessoa se desdobra
E todo tempo que sobra
Diz besteiras colossais
E começa a falar mais
Do que o “homem da cobra”.



A quina tem fantasia
Você vê tudo bonito
Tá calado dá um grito
Tá triste tem alegria
Essa é a milistria
Da hora do encantamento
Pois o nosso pensamento
Pensa sem pensar pensando
E o juízo vai ficando
Mais veloz que um pé-de-vento.

A sexta vem do país
Chamado São Saruê
É com ela que se vê
A terra do ser feliz
Ouve o cantar do Concriz
O canto da Carimbamba
Fica com a perna bamba
Querendo mais milistria
Que em meio a tanta alegria
Ouve um tango e dança um samba.

A sétima tem o poder
Das esfinges siderais
A gente bebe e quer mais
Porém não pode beber
Porque senão vai saber
O que nunca deveria.
O segredo da magia
Não pode ser revelado
E o sujeito embriagado
Desiste da milistria.

Misteriosa mistura
Aldy carvalho inventou
Sete coisas misturou
Tornando a bebida pura
Presenteando a cultura
Escrevi esse trabalho
Como as gotas de orvalho
Que enfeitam as pradarias
Enfeitei as milistrias
Do poeta Aldy Carvalho.


                                           Valdeck de Garanhuns .   

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário.
Volte sempre!