9 de junho de 2017

Tu me chegas assim de arribada
Não espera ser dia nem ser noite
Tão felina me tomas de açoite
Eu me entrego qual presa na emboscada
Saciando a fera indomada
O teu corpo no meu entrelaçado
A beber de prazer tão desejado
A paixão deixa a alma entorpecida
Tu e eu somos a justa medida
No repouso do ato consumado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário.
Volte sempre!